Fundo Soberano

Como se não houvesse assuntos mais importantes (como a reforma tributária por exemplo), o tema do momento é a criação do tal Fundo Soberano Brasileiro. Um fundo soberano nada mais é do que um fundo de investimento criado por países para gerir o excesso de recursos que possuem e aplicar em ações, títulos, ativos financeiros em outros países, etc.

Gostaria de saber quem disse ao governo que esse é o nosso caso. Em primeiro lugar não temos dinheiro sobrando, temos é inúmeras necessidades de melhoria nos serviços prestados pelo governo, principalmente em saúde, educação e segurança. Em segundo lugar se o dinheiro realmente está sobrando lhes pergunto: o que o Sr(a). faria se tivesse um dinheiro extra e tivesse uma dívida no cartão de crédito ou no cheque especial? O mais racional seria quitar a dívida. Pois bem, o Brasil possui mais de R$1,4 trilhão (mais precisamente R$1.494.588.000.000,00, isso mesmo, é número que não acaba mais), de dívida interna. Escoam-se pelo ralo todos os anos quase R$85 bilhões em despesas com juros.

Por isso lhes pergunto: se há dinheiro sobrando e, se esse dinheiro sobrando (segundo avaliação do governo) não precisa ir para saúde, educação e segurança, – que pelo jeito vão muito bem obrigado – não seria interessante ir aos poucos pagando a dívida interna ?

Muitos provavelmente serão a favor do calote da dívida. Essa não é uma saída. Uma vez que o país optou por pegar recursos emprestados, esses recursos devem ser pagos. O que deveria ter sido feito é uma análise prévia para ver se esses recursos realmente eram necessários e qual o retorno que esses investimentos nos dariam. Afinal, o Brasil ao longo da sua história – e principalmente na época da ditadura – captou recursos para projetos megalomaníacos que acabaram em nada como a construção da Transamazônica, entre outros.

O gasto em juros certamente não traz retorno algum ao país e a grande maioria dos brasileiros. Então, na minha modesta opinião, porque não ir aos poucos quitando parte da dívida para com isso reduzir o montante de juros pagos anualmente. Se ano que vem conseguirmos reduzir em R$100 milhões o gasto em juros, que num primeiro momento parece pouco, mas se formos responsáveis com as finanças públicas e não voltarmos a nos endividar será uma economia de R$100 milhões por ano durante o resto da vida. Claro que R$ 100 milhoes é um valor exemplificativo. Segundo o ministro Guido Mantega, o aporte inicial ao fundo soberano seria da ordem de R$14 bilhões o que, se usado para amortizar nossa divida, poderia gerar uma economia anual de R$798 milhões de reais1.

Também nem tudo é tão simples assim, a dívida interna também cumpre um papel estabilizador na economia e serve como instrumento de política monetária, por isso nunca será zerada, e nem é o que proponho. O que proponho é uma redução, mas que nível? Isso cabe ao Banco Central responder (que possui mais dados do que eu e os monitora em tempo real). A questão da nível e da velocidade da redução repousa no fato de que a recompra de títulos públicos acabaria por injetar moeda na economia e seus efeitos seriam sentidos na redução da taxa de juros, no aumento da demanda e possivelmente da inflação. Por isso, essa redução deve ser feita em doses homeopáticas de forma que o Banco Central possa controlar as variáveis macroeconômicas e não permitir a volta da inflação.

Caso queira saber de onde sairá os recursos para a formação do fundo leia a matéria que foi publicada no Globo Online clicando aqui.

OBS: Atente para o fato que dos R$14 bilhões para formação do Fundo Soberano: R$107 milhões serão com economia em passagens e diárias; R$23 milhões com economia em propaganda; R$500 milhões de economia com despesas de pessoal. Isto dá um total de R$630 milhões que pelo jeito são desperdiçados todos os anos. Se fôssemos um país sério gastaríamos apenas o necessário e pelo jeito esse valor é supérfluo do contrário não poderia ser cortado.

  1. Fazendo-se uma conta de “padeiro” e usando uma regra de três básica entre juros e dívida chegamos a uma taxa de aproximadamente 5,7%, o que na realidade deve ser maior

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*